Questões ENEM (variedades linguísticas)

Estou postando algumas questões que caíram nas últimas provas do ENEM sobre o tema variedades linguísticas. Abaixo, seguem as respostas e as justificativas. Tentam fazer e depois confiram no fim do post. Beijos.

 

Questão 1 (ENEM 2006)

Aula de português

A linguagem

na ponta da língua

tão fácil de falar

e de entender.

A linguagem

na superfície estrelada de letras,

sabe lá o que quer dizer?

Professor Carlos Gois, ele é quem sabe,

e vai desmatando

o amazonas de minha ignorância.

Figuras de gramática, esquipáticas,

atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me.

Já esqueci a língua em que comia,

em que pedia para ir lá fora,

em que levava e dava pontapé,

a língua, breve língua entrecortada

do namoro com a priminha.

O português são dois; o outro, mistério.

Carlos Drummond de Andrade. Esquecer para lembrar. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

 

Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste entre marcas de variação de usos da linguagem em

A) situações formais e informais.

B) diferentes regiões do país.

C) escolas literárias distintas.

D) textos técnicos e poéticos.

E) diferentes épocas.

 

Questão 2 (ENEM 2006)

No romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos, o vaqueiro Fabiano encontra-se com o patrão para receber o salário. Eis parte da cena: Não se conformou: devia haver engano. (…) Com certeza havia um erro no papel do branco. Não se descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos. Passar a vida inteira assim no toco, entregando o que era dele de mão beijada! Estava direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria? O patrão zangou-se, repeliu a insolência, achou bom que o vaqueiro fosse procurarserviço noutra fazenda. Aí Fabiano baixou a pancada e amunhecou. Bem, bem. Não era preciso barulho não.

Graciliano Ramos. Vidas Secas. 91.ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

No fragmento transcrito, o padrão formal da linguagem convive com marcas de regionalismo e de coloquialismo no vocabulário. Pertence a variedade do padrão formal da linguagem o seguinte trecho:

A) “Não se conformou: devia haver engano” (ℓ.1).

B )“e Fabiano perdeu os estribos” (ℓ.3).

C)“Passar a vida inteira assim no toco” (ℓ.4).

D)“entregando o que era dele de mão beijada!” (ℓ.4-5).

E) “Aí Fabiano baixou a pancada e amunhecou” (ℓ.11).

 

Questão 3 (ENEM 2005)

Leia com atenção o texto:

[Em Portugal], você poderá ter alguns probleminhas se entrar numa loja de roupas desconhecendo certas sutilezas da língua. Por exemplo, não adianta pedir para ver os ternos — peça para ver os fatos. Paletó é casaco. Meias são peúgas. Suéter é camisola — mas não se assuste, porque calcinhas femininas são cuecas. (Não é uma delícia?). (Ruy Castro. Viaje Bem. Ano VIII, no 3, 78.)

O texto destaca a diferença entre o português do Brasil e o de Portugal quanto

(A) ao vocabulário.

(B) à derivação.

(C) à pronúncia.

(D) gênero

 (E) à sintaxe.

 

Questão 4 (ENEM 2007)

As dimensões continentais do Brasil são objeto de reflexões expressas em diferentes linguagens. Esse tema aparece no seguinte poema:

“(….)

Que importa que uns falem mole descansado

Que os cariocas arranhem os erres na garganta

Que os capixabas e paroaras escancarem as vogais?

Que tem se os quinhentos réis meridional

Vira cinco tostões do Rio pro Norte?

Junto formamos este assombro de misérias e grandezas,

Brasil, nome de vegetal! (….)”

(Mário de Andrade. Poesias completas. 6. ed. São Paulo: Martins Editora, 1980.)

O texto poético ora reproduzido trata das diferenças brasileiras no âmbito

 A) étnico e religioso.

B) lingüístico e econômico.

C) racial e folclórico.

D) histórico e geográfico.

E) literário e popular.

1 - Resposta: A

Justificativa: O contraste que o poema explora é o do uso da língua em situações formais e informais. A formalidade é expressa pelo figura do Professor Carlos Gois, com suas “figuras de gramática, esquipáticas” em oposição à informalidade do cotidiano do eu-lírico, “a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé”. A alternativa B também traz um outro tipo de variedade, mas que não é foco do poema (variedade regional). As demais alternativas não se sustentam.

2 – Resposta: A

Justificativa: A única alternativa que se mantém no padrão formal é a A, pois as demais apresentam vocabulário e expressões regionais ou populares: “estribos” (B), “no toco” (C), “mão beijada” (D) e “amunhecou (D).

3 – Resposta: A

Justificativa: Ruy Castro aborda as diferenças de vocabulário entre o português europeu e o brasileiro. A derivação (variação das palavras), pronúncia (sons), gênero (masculino ou feminino) ou sintaxe (relação entre as palavras) não é abordada.

 4 – Resposta: B

Justificativa: O poema toca na questão linguística (“que importa que uns falem mole descansado/ que os cariocas arranhem os erres na garganta”) e econômica (“Que tem se os quinhentos réis meridional/ Vira cinco tostões do Rio pro Norte?”)

About these ads

16 Comentários (+adicionar seu?)

  1. alef
    mar 02, 2011 @ 12:49:13

    muito legal esse blog tipo pode da uma espiadinha na materia fora de aula aida mais na internet , q é onde os jovems mais navegam muito massa… continua assim prof

    Resposta

  2. franciely
    mar 08, 2012 @ 11:03:14

    valeu muito obrigada estava com duvidas em algumas e era pra entregar valendo nota !!!! valeu msmo ajudou muito

    Resposta

  3. ana clara
    mar 12, 2012 @ 17:11:04

    olha eu amei o seu blog

    Resposta

  4. Rosely
    abr 04, 2013 @ 16:44:48

    Parabéns! Seu blog me ajudou, pois este ano pela primeira vez estou lecionando no ensino médio e estou em busca de atividades e outros materiasi que possam me auxiliar. Abraços

    Resposta

  5. Mab
    abr 23, 2013 @ 12:51:15

    Não concordo com a resposta da questão 4. Isso é uma pegadinha, porque no texto pode ser considerada a variação geográfica também, já que o mesmo cita falares de cariocas e capixabas.

    Resposta

    • Professora Karina
      abr 24, 2013 @ 00:19:56

      Mab,
      a resposta é B) linguístico e econômico porque a discussão do texto gira em torno da língua e de questões como a miséria (econômica). No termo linguístico está incluso “variedade geográfica”, optando pela resposta D) histórico e geográfico., você quer dizer que a discussão do texto é de ordem histórica e geográfica, porém não é, o geográfico aí na D não quer dizer “variedade geográfica” e sim “tema geográfico” algo relacionado à Geografia. Realmente uma pegadinha.

      Resposta

  6. Ana PAula
    mai 07, 2013 @ 14:45:49

    Parabéns! Adorei o blog e me ajudou muito!!! Obrigada (:

    Resposta

  7. Lindinalva
    jul 31, 2013 @ 21:04:03

    Realmente me ajudou bastante na questão de agilizar o meu trabalho…

    Resposta

  8. Vicente
    set 24, 2013 @ 21:20:33

    gostei muito. parabéns!

    Resposta

  9. Marcelo
    nov 25, 2013 @ 14:31:21

    Muito bom trabalho, professora Karina. Parabéns!!!

    Resposta

  10. Antonia Cravalho Rosa
    mar 07, 2014 @ 20:54:49

    Obrigada!!! Gostei!

    Resposta

  11. nataly
    abr 10, 2014 @ 00:12:26

    Faca uma releitura da segunda estrofe e traduza com suas palavras, nao intendi pode mi ajudar??

    Resposta

  12. Igor Melo Nogueira
    jul 02, 2014 @ 09:07:29

    Parabéns! Mas, por favor, poderia postar questões de Vestibular e Enem sobre Funções da Linguagem? Agradeço… Biejos…

    Resposta

  13. Thalita Silva
    out 24, 2014 @ 20:38:41

    Muito bom!!!! Valeu!

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: